Diretrizes de Saúde Animal – Cães Terapeutas

Cuidados e Procedimentos Relacionados ao Cão Terapeuta

A partir do momento que um cão ingressa na nossa instituição, o primeiro procedimento feito é a coleta de dados do animal, para termos um bom histórico dele. Estes dados consistem na identificação do animal (idade, espécie, raça); ambiente em que vive; dieta (ração ou comida caseira, se come petiscos, etc.) e história médica (enfermidades e/ou cirurgias). Além de saber o local de origem e há quanto tempo se tem este animal.

Só admitimos animais castrados. Muitas são as vantagens conseguidas na castração precoce. Os animais submetidos à castração precoce parecem tornar-se mais obedientes, mais tranquilos, dóceis, menos propensos a perambular; parecem também manter o comportamento juvenil (que é muito desejável). São citadas também vantagens relativas à saúde, como, por exemplo, a diminuição do risco de tumores de mama em caninos.

O animal passa também por um exame físico completo, aonde anotamos no prontuário o peso, a temperatura, a frequência respiratória e cardíaca, bem como o tempo de preenchimento capilar (TPC).

A cavidade bucal e os dentes são examinados regularmente. A enfermidade periodontal em geral se inicia quando aparecem os primeiros dentes na boca e prossegue em graus variados por toda vida do animal. Neste momento é interessante orientamos o proprietário a importância de fornecer o tipo certo de alimento para a prevenção de enfermidade periodontal e a importância de escovar regularmente os dentes.

A pele, a pelagem e os condutos auditivos externos são examinados para evidências de qualquer alteração. 

Nossos animais fazem exames coproparasitológicos nos meses de janeiro, maio e setembro de cada ano. Caso o resultado seja positivo para algum parasita intestinal, este animal é imediatamente afastado de suas assistências. Neste período ele realiza o tratamento e só retorna às suas atividades mediante a um novo exame que comprove que o animal está livre de qualquer parasita.

Qualquer doença que o animal apresente e que impossibilite o cão terapeuta de realizar as suas funções; ele é afastado temporariamente e só retorna quando estiver apto a realizar as suas atividades. Bons exemplos são:

  • Um animal com otite por estar com dor de ouvido é afastado, porque o paciente pode manipular a orelha deste animal de reagir negativamente;
  • Animais com diarréia também são afastados porque o animal perde o controle da defecação e o risco dele defecar durante a assistência é grande. Por isso é melhor naquele dia ele permanecer em casa;
  • Feridas na pele, o cão também é afastado para que faça o tratamento e retorne somente após a cura. 

O uso de produtos comerciais para controle de pulgas e carrapatos é obrigatório. Recomendamos também que o proprietário vermifugue seu animal regularmente.

Vacinação Obrigatória

Um cão terapeuta precisa sempre vacinar com vacina CA2PL-PC (popularmente chamada de V8 ou V10), Raiva, Tosse dos Canis e estas devem ser aplicadas anualmente.

Vacinar com vacina “CA2PL-PC” se refere ao uso de uma vacina para proteger contra as seguintes enfermidades:

  • C – cinomose;
  • A2 (adenovírus canino-2) – hepatite infecciosa canina;
  • P – parainfluenza canina;
  • L – leptospirose;
  • P – enfermidade por parvovírus canino-2;
  • C – enfermidade por coronavírus canino.

Devem-se vacinar os filhotes com três doses da CA2PL-PC para uma imunização primária e se faz necessário uma revacinação anual.

Recomenda-se uma revacinação a cada 6 meses para leptospirose, isso porque a duração da imunidade produzida pela vacina é em média de 6 a 8 meses. Vacinar contra o vírus da raiva aos 3 meses de vida e depois repetir anualmente. A vacina para tosse dos canis pode ser um meio eficiente para prevenir, ou pelo menos reduzir, a incidência de traqueobronquite infecciosa em cães. Esta vacina protege contra a infecção e doença por Bordetella bronchiseptica e o vírus da parainfluenza.

Higiene do Animal

Orientamos o proprietário a manter as unhas sempre cortadas e lixadas; a escovar os dentes do seu animal 2 a 3 vezes por semana, se possível diariamente e manter o cão limpo e bem tratado, para isto seria indicado banho semanal e de preferência próximo à data da visita.

O proprietário ou pessoa que acompanha o animal durante a assistência é orientado a levar lenços umedecidos para realizar a limpeza das patas de seu animal ao entrar e sair do local visitado.

Levar o seu animal para urinar e defecar antes de entrar no prédio aonde será realizado a assistência e caso ocorra por acidente, este é responsável pela limpeza imediata do local. Para isso, o acompanhante carrega consigo sacos para coleta das fezes e papel absorvível e desinfetante para limpeza da urina.

Protocolo de Saúde Animal

  • Os cães deverão se submeter à avaliação de seu estado de saúde por profissionais médicos veterinários da ONG Patas Therapeutas.
  • Serão aceitos somente cães castrados.
  • As vacinas obrigatórias são: V8/V10, Raiva e Tosse dos Canis, aplicadas anualmente.
  • Os demais animais (tartaruga, pássaro, coelho e etc.) passarão por avaliação diferenciada de acordo com a zoonose de cada animal.
  • O exame coproparasitológicos deverá ser feito trimestralmente, de acordo com o cronograma divulgado pela ONG Patas Therapeutas.
  • Os comprovantes deverão ser entregues aos coordenadores/responsáveis da ONG.
  • A não apresentação dos documentos no tempo estipulado implicará na proibição da visita do animal às instituições.
  • O cão não poderá apresentar problemas de acúmulo de placa e tártaro, sendo necessário à limpeza destes com o veterinário de sua confiança. Os demais animais de acordo com a recomendação específica para a espécie.
  • Não serão permitidas as visitas de animais que apresentem infestação por pulgas e/ou carrapatos.
  • Animais que possuírem lesões de pele, que se assemelhem a micose, sarnas (zoonoses que são transmitidas aos humanos), serão impedidos de realizarem as visitas.
  • Animais com o ouvido inflamado (Otites) pode reagir negativamente ao afago na região da cabeça e/ou orelhas e morder por sentir dor. Mau cheiro, excesso de cera, vermelhidão, coçar ou chacoalhar a cabeça com freqüência, são sinais de problemas nos ouvidos.
  • Comportamento inadequado: o cão será afastado da atividade, avaliado pelo adestrador e se necessário, conduzido a adestramento específico ou dessensibilização. Em seguida, após a reavaliação, estará apto para o retorno nas atividades.

Cuidados que o proprietário deve manter com o seu animal:

  • Manter as unhas sempre curtas;
  • Escovar os dentes freqüentemente, se possível diariamente;
  • Manter o animal limpo e bem tratado. Para isto, é indicado banho semanal e de preferência próximo à data da visita.
Vacinas Período
Anti Rábica Anual
V8/V10 Anual
Giárdia Anual
Gripe (Tosse dos Canis) Anual
Exame Coproparasitológico (Exame de fezes)

Trimestral: (Janeiro, Abril, Julho, Outubro)